ESPECIALIZAÇÃO

Leia artigos científicos sobre

NOVA PESQUISA

DST

Prevenção, tipos, sintomas e tratamento

Dados chaves

Em 10 anos, o Brasil registrou quase 633 mil casos de DSI.(1)

O Brasil apresentou aumento de 21% no número de novos casos de infecções por HIV de 2010 a 2018.(1)

Algumas DSTs e ISTs são silenciosas e podem não apresentar sinais e sintomas por longo período de tempo.

Mais de 376 milhões de novos casos de clamídia, gonorreia, tricomoníase e sífilis são diagnosticados anualmente no Brasil.(2)

41,67% dos jovens afirmam não conversar sobre sexo nem com a família, nem na escola.(2)

47% dos jovens entre 14 e 24 anos não costumam usar camisinha nas relações sexuais.(3)

Foram diagnosticados 158 mil casos de sífilis em 2018 no Brasil.(3)

O que são DSTs?

As doenças sexualmente transmissíveis (DSTs) são doenças que se propagam principalmente através de relações sexuais. A transmissão pode ocorrer pelo contato direto com diferentes fluidos corporais, sangue, sêmen, fluidos vaginais, etc. Entretanto, algumas DST não são transmitidas apenas por contato sexual, mas também por contato com a pele cortada, de mãe para bebê (transmissão vertical), através de beijos, feridas, através de transfusões ou contato com sangue infectado, ou compartilhando seringas.

As doenças sexualmente transmissíveis podem afetar todos que são sexualmente ativos, independentemente de sua opção sexual. Lembre-se de que se você tem uma DST, nem sempre apresentará sintomas, o que caracteriza uma doença silenciosa. Certamente, ter múltiplos parceiros sexuais ou troca frequente de parceiros aumenta o risco de ser exposto a uma DST. O comportamento monogâmico, quando realizado por ambos os parceiros, é, muitas vezes, um fator de proteção contra a probabilidade de ser infectado por uma DST.

O uso do preservativo é uma maneira efetiva de prevenir as DSTs, mas nem sempre o livrará completamente do risco de ser infectado por outra doença. As doenças sexualmente transmissíveis nem sempre apresentam sintomas óbvios, portanto a única maneira de diagnosticá-las é através de testes anuais regulares. A maioria das DSTs são tratadas fácil e rapidamente, enquanto outras requerem tratamento mais prolongado. Em todo caso, se você for diagnosticado com uma DST, também deve informar seu(s) parceiro(s), para que possam ser testados e receber o tratamento apropriado caso tenham sido infectados. Fazê-lo é um exercício de co-responsabilidade com seu(s) parceiro(s).(3)

Deixar uma doença sexualmente transmissível sem tratamento aumenta o risco de transmissão e pode levar à infertilidade, falência de órgãos, certos cânceres ou até mesmo à morte em alguns casos. Portanto, não tenha medo, há tratamento para todas as doenças sexualmente transmissíveis e para evitar que elas progridem, se você suspeitar que foi infectado, consulte imediatamente o médico de sua escolha. Mesmo o tratamento do HIV é suficientemente eficaz para não se transformar em AIDS e as pessoas podem ter uma qualidade de vida igual ou melhor do que a das pessoas não infectadas.

¿Sabías que?

Você sabia que...

Em 2019, houveram 40 mil novos casos de pessoas infectadas pelo HIV.

As DSTs mais comuns

Verrugas anogenitais

Verrugas anogenitais

As verrugas HPV são na região genital, únicas ou múltiplas, de tamanho variável, achatadas ou papulosas (elevadas e sólidas) e geralmente afetam mais mulheres. Algumas cepas são consideradas responsáveis pelo câncer cervical e, em geral, pela carcinogênese. O diagnóstico de verrugas genitais é feito através de exame ginecológico. Pode requerer colposcopia, uretroscopia, Papanicolau e colonoscopia, e geralmente é tratada com laser, criopreservação e remoção cirúrgica. A prevenção é alcançada através da vacinação contra o papiloma vírus, monogamia e check-ups regulares

Herpes genital

Herpes genital

O herpes genital é uma DST que ocorre na pele e nas membranas mucosas e é causado pelo vírus HSV-2. Manifesta-se por bolhas pequenas, localizadas principalmente na parte externa da vagina e na ponta do pênis. Essas bolhas podem arder e causar coceira intensa. Ao se coçar, a pessoa pode romper a bolha, causando uma ferida.3 A herpes genital é diagnosticada através de exame clínico e testes laboratoriais. Não é completamente curável. Ela permanece adormecida no corpo e reaparece quando o sistema imunológico está enfraquecido. As drogas antivirais são geralmente administradas para aliviar os sintomas

HIV-AIDS

HIV-AIDS

O HIV é um vírus que destrói as células do sistema imunológico, tornando-o incapaz de combater infecções e doenças. Nem todas as pessoas diagnosticadas com HIV desenvolvem a AIDS. Se não for tratado, o tempo entre a infecção pelo HIV e o início da AIDS varia de pessoa para pessoa, mas geralmente pode levar de 8 a 10 anos.

O HIV é tratado com medicamentos anti-retrovirais que impedem o desenvolvimento da doença. É detectado através de testes de sangue e pode ser feito de 10 a 30 dias após suspeita de estar em risco de infecção.

Hepatite B

Hepatite B

Hepatite B é uma infecção do fígado causada pelo vírus da hepatite B. Ela é transmitida através de relações sexuais, especialmente por contato oral-anal e contato com sangue infectado. Os sintomas só ocorrem em um estágio muito avançado. É prevenido pela vacinação. A hepatite B é diagnosticada por testes hematológicos especiais e tratada por medicação e dieta rigorosa.

Clamídia

Clamídia

A clamídia é uma das DSTs mais comuns entre os jovens e é uma infecção causada pela bactéria Chlamydia trachomatis. A clamídia é diagnosticada por testes de laboratório e cultura de fluidos. É tratado com antibióticos e tanto a pessoa diagnosticada quanto o parceiro sexual precisam ser tratados. Se não for tratada a tempo, a clamídia pode causar sérios danos aos órgãos genitais, garganta, boca, colo do útero, uretra, trompas de falópio, epidídimo e olhos.

Sífilis

Sífilis

A sífilis é uma DST que permanece latente no corpo e é caracterizada por lesões ulcerativas da pele. O diagnóstico é feito através de testes hematológicos.

A sífilis é sempre tratada com antibioticoterapia dependendo do progresso da doença, o tratamento é dirigido por um médico especializado. Possíveis complicações são o desenvolvimento de doenças cardiovasculares, aneurismas e lesões permanentes da pele.

Gonorréia

Gonorréia

A Gonorréia é uma DST que causa infecções do reto, órgãos genitais, e/ou da garganta. A gonorréia é diagnosticada por culturas do colo uterino, vagina, uretra, ânus e laringe.

A gonorréia é tratada com antibióticos e é necessária uma reavaliação periódica para outras DSTs. A gonorréia pode levar à dor, restrição uretral, falência renal e infertilidade.

Hepatite C

Hepatite C

A hepatite C é uma infecção que causa inflamação do fígado e pode levar a sérios danos ao fígado. A hepatite C se propaga pelo contato direto com sangue infectado ou pelo compartilhamento de agulhas.

É diagnosticada por um teste de sangue especial que detecta anticorpos ao vírus. O tratamento é feito com medicamentos prescritos por um especialista médico. O uso de preservativos em todas as relações sexuais e uma relação monogâmica é recomendado.

Tricomoníase

Tricomoníase

A tricomoníase é uma DST cujo foco principal de infecção nas mulheres é a vagina e colo do útero e nos homens, a uretra.

Os sintomas são, principalmente, corrimento amarelo-esverdeado, com mau odor, podendo o ato sexual doer, ardor, dificuldade para urinar e coceira nos órgãos sexuais.(3)

O diagnóstico é feito por cultura de corrimento vaginal ou uretral, exames urológicos e esfregaços de Papanicolaou. O tratamento também deve ser tomado pelo parceiro sexual e inclui medicação.

Linfogranuloma venéreo

Linfogranuloma venéreo

É caracterizado pelo aparecimento de uma lesão genital que pode durar de três a cinco dias, apresentando-se como uma ferida ou uma elevação da pele. Essas lesões podem evoluir para o segundo estágio, que é quando ocorre o inchaço dos gânglios de uma das virilhas. Se não for tratado, evolui para o rompimento espontâneo e formação de feridas que drenam pus.(3)

Sintomas de DSTs

Cada uma das doenças sexualmente transmissíveis pode ter sintomas específicos ou diferentes, portanto às vezes não são fáceis de diagnosticar, exceto quando são realizados testes laboratoriais sugeridos pelo médico especialista, infectologista, ginecologista ou urologista.

Sintomas de DSTs

Em geral, alguns dos sintomas mais comuns de DSTs em homens e mulheres são:

  • Dor ao urinar
  • Corrimento vaginal com alteração de cor
  • Dor pélvica
  • Dor durante a relação sexual (dispareunia)
  • Dor nos testículos
  • Sangramento entre períodos nas mulheres
  • Vermelhidão e bolhas
  • Feridas na boca
  • Fadiga severa
  • Boca seca
  • Febre
  • Perda de peso
  • Olhos amarelos
  • Diarréia
  • Dores nas articulações

Você apresenta algum dos sintomas?

Não identificar à primeira vista nenhum dos sintomas de DSTs apresentados acima não significa que você elimina completamente o risco de ser infectado. Se você é sexualmente ativo, é importante fazer exames de sangue regulares, de preferência a cada 6 meses, para detectá-los cedo e tratá-los prontamente.

Algumas das DSTs mais populares (verrugas genitais, HIV, hepatite, etc.) são frequentemente assintomáticas. Quando os sintomas ocorrem, a doença pode ser muito mais avançada e mais difícil de tratar.

Teste de DST online

Você corre o risco de contrair uma DST? Faça nosso teste online e tire sua dúvida!

Teste e diagnóstico de DST

É fundamental não ter medo, há tratamento para todas as doenças sexualmente transmissíveis que visam evitar o avanço das mesmas. Porém, a peça chave é diagnosticá-las a tempo. Portanto, se você suspeitar que foi infectado por uma DST, consulte-se com um especialista imediatamente.

Com que frequência devo ser testado para as DSTs?

Com que frequência devo ser testado para as DSTs?

Se você for sexualmente ativo, recomendamos que você faça exames de sangue a cada 6 meses para descartar qualquer infecção.

Os testes para diagnosticar doenças sexualmente transmissíveis (DSTs) às vezes variam para homens e mulheres. Para as mulheres, os testes incluem:

  • Um Papanicolau
  • Um exame ginecológico completo
  • Uma cultura de esfregaço vaginal
  • Uma colposcopia
  • Um teste de DNA HPV
  • Exames de sangue para HIV, hepatite e sífilis
Exames de sangue para HIV, hepatite e sífilis

Exames de sangue para HIV, hepatite e sífilis

  • Um exame de sangue para HIV, hepatite e sífilis
  • Um exame clínico realizado por um dermatologista-venereologista.
  • Uma cultura uretral
  • Um teste de DNA HPV

Se necessário, o médico pode sugerir testes mais especializados.

Causas das DSTs e do contágio

Existem diferentes causas de DST e cada uma requer tratamento específico para que não evolua para uma condição mais grave como o câncer. Na tabela a seguir explicaremos em detalhes as causas mais comuns das DSTs:(4)

Tipos de DSTs Causas das DSTs
Vulvovaginite A vulvovaginite se desenvolve devido à candidíase, que por sua vez é causada por um fungo chamado Candida Albicans. Não é raro que este fungo esteja na vagina, mas pode causar problemas quando se reproduz de forma incontrolável.
Candidíase As causas mais comuns de candidíase são, como a vulvovaginite, os fungos da candidíase. Outra causa comum são as mudanças no pH vaginal que provocam a diminuição da acidez.
Tricomoníase Ao contrário das outras causas das DSTs, a tricomoníase se desenvolve a partir de um parasita chamado Trichomonas Vaginalis. A área onde este parasita se reproduz mais rapidamente, tanto em homens como em mulheres, é na uretra.
Herpes genital O herpes genital é causado pelo vírus da herpes, que pode ser dividido em tipos 1 e 2. A probabilidade de contrair herpes genital a partir do uso de banheiros públicos ou toalhas que foram usadas por uma pessoa infectada é próxima de zero. Ela é geralmente contagiosa pela saliva e secreções genitais
Sífilis Esta é uma das DSTs mais perigosas, especialmente se não for tratada nos estágios iniciais. Como outras DSTs, a sífilis é causada pela presença de uma bactéria chamada Treponema pallidum. Ela se espalha ao entrar em contato com a ferida de uma pessoa infectada.

Como ocorre a transmissão das DSTs?

Como o nome sugere, estas doenças são disseminadas através do contato sexual. Isto não se limita apenas às relações sexuais vaginais, mas também inclui sexo anal e oral.

Como o vírus se propaga através de fluidos ou feridas

Como o vírus se propaga através de fluidos ou feridas que uma pessoa infectada pode ter, é muito fácil para você espalhar o vírus para seus parceiros sexuais se você tiver uma DST. É por isso que é tão importante que você fique de olho em qualquer mudança em seu corpo:

  • Lesões na boca, no ânus ou na genitália
  • Corrimento vaginal ou corrimento constante do pênis
  • Queimação durante a micção
  • Desconforto durante as relações sexuais
  • Dor na parte inferior do abdômen
  • Sangramento sem razão aparente
  • Dor nos testículos
  • Coceira nas genitais
  • Gânglios linfáticos inchados
  • Rápida perda de peso

Se você notar um ou mais destes sintomas de DSTs, procure ajuda imediatamente. Você pode ter sido infectado sem saber, pois não usar preservativos aumenta muito a probabilidade de contrair uma DST.

Como prevenir as DSTs?

O uso de preservativos em todas as relações sexuais é a maneira mais eficaz de evitar a ocorrência de uma DST. No entanto, há outras coisas que você pode fazer para se proteger e proteger seu parceiro.

Aqui estão 8 dicas sobre como prevenir as DSTs

Aqui estão 8 dicas sobre como prevenir as DSTs:

  • Teste-se para as DST e convença seu(s) parceiro(s) a testar-se também.
  • Use proteção toda vez que fizer sexo (seja anal, oral ou vaginal). Podem ser preservativos femininos e masculinos.
  • Reduza o número de parceiros sexuais.
  • Evite ter relações sexuais se você tiver usado álcool ou drogas.
  • Não compartilhe a roupa íntima com outras pessoas.
  • Praticar a abstinência sexual ocasionalmente.
  • Mantenha uma comunicação direta e fluida com seu parceiro para definir regras de autocuidado se você estiver em uma relação poliamorosa.
  • Usar um método não traumático de depilação para evitar micro lesões nos genitais, já que as feridas abertas são uma porta de entrada de vírus e microorganismos para o corpo.

Tratamento para as DSTs

O tratamento das DSTs é uma combinação de antibióticos e medicamentos antivirais. Entretanto, isto pode mudar de acordo com o tipo de DST que você tem e em que estágio de infecção você se encontra.

Os antibióticos usados no tratamento de DST são usados para curar infecções devido a bactérias e fungos. São utilizados especialmente para aqueles que têm sífilis, gonorréia ou clamídia. O tratamento nestes casos, consiste em tomar medicação diária e abstinência do sexo por 7 dias após o término da medicação. Da mesma forma, se após esse período de tempo você ainda tiver feridas ou outras lesões na pele, não poderá ter relações sexuais de qualquer tipo, pois pode piorar sua condição ou infectar outras pessoas.

Os medicamentos antivirais são extremamente eficazes se você estiver realizando tratamento de DSTs, especialmente se você tiver HIV ou herpes. No caso do HIV, os medicamentos antivirais podem impedir que ele se transforme em AIDS. Na verdade, muitas pessoas podem viver vidas completamente normais e saudáveis, mesmo tendo o HIV. Por outro lado, se você tem herpes, o medicamento antiviral é combinado com a terapia supressiva. Tenha em mente que durante este período de tempo você ainda é contagioso, portanto talvez seja melhor evitar ter relações sexuais até que seu médico lhe diga o contrário

Conselhos de saúde

Para ajudar a manter sua saúde em ótimas condições e reduzir o desconforto que pode resultar da contratação de uma DST, você pode fazer as seguintes mudanças no seu estilo de vida:

Procure ajuda psicológica:

Contrair uma DST traz consigo uma mudança em sua vida e ter alguém com quem conversar é extremamente importante, especialmente se você foi diagnosticado com uma DST como o HIV. Obter aconselhamento com um especialista em saúde mental é uma boa maneira de obter as ferramentas para lidar com esta mudança da melhor maneira e para evitar sintomas de depressão ou ansiedade.

Aumente o consumo de alimentos saudáveis:

É através dos alimentos que o corpo obtém os nutrientes. Portanto, dê prioridade a vegetais, grãos e proteínas sem gordura. Estes ajudam seu sistema imunológico a permanecer alerta e o ajudam a se sentir enérgico durante todo o dia.

Mantenha suas vacinações atualizadas:

As vacinas são uma ferramenta chave para prevenir e combater diferentes doenças. Por exemplo, se você for HIV-positivo, é importante reduzir suas chances de contrair outras doenças como HPV, influenza ou hepatite através de vacinação.

Pratique exercício:

Manter-se ativo é importante para sua saúde geral e como algumas DSTs enfraquecem o sistema imunológico, é essencial fortalecê-lo através da atividade física e de uma boa dieta.

PrEP

O PrEP(5) “Profilaxia Pré-Exposição de risco à infecção pelo HIV” consiste no uso preventivo de medicamentos antirretrovirais antes da exposição sexual ao vírus, para reduzir a probabilidade de infecção pelo HIV. O PrEP consiste em dois medicamentos combinados em um único comprimido usado para inibir a reprodução do vírus HIV no sangue. Como o nome PrEP indica, este método funciona exclusivamente como um método de prevenção, não deve ser usado como tratamento para o HIV e não protege contra outras DSTs ou caso o HIV já tenha sido contraído. Ao tomar a PrEP diariamente, você pode reduzir significativamente suas chances de contrair o HIV.

¿Sabías que?

Você sabia que...

o PrEP é estimado reduzir o risco de adquirir o HIV em 44% a 67%.

A PrEP é altamente recomendada quando:

A PrEP é altamente recomendada quando:

  • Você é altamente ativo sexualmente com uma variedade grande de parceiros.
  • Você já teve uma infecção sexualmente transmissível (IST).
  • Você frequentemente se envolve em trios ou swingers
  • Você tem um parceiro com HIV
  • Você é ou faz sexo com profissionais do sexo

Estima-se que a PrEP reduza o risco de adquirir o HIV em 44% a 67%. A proteção PrEP varia dependendo do seu gênero. Se você for um homem, depois de tomar PrEP por uma semana você terá a máxima proteção. As mulheres, por outro lado, alcançarão o mais alto nível de proteção após cerca de 14 dias.

Durante este período inicial

Durante este período inicial, a PrEP pode causar alguns efeitos colaterais como, por exemplo

  • Náusea
  • Vômitos
  • Alucinações
  • Tontura
  • Dor de cabeça
  • Pesadelos noturnos

Preço de testes de DST

Os preços aproximados dos testes de DST são os seguintes:

cost icon

Vulvovaginite: R$100,00 - R$200,00 reais

Candíase: R$100,00 - R$150,00 reais

HPV: R$ 70,00 - R$150,00 reais

Tricomoniase: R$150,00 - R$250,00 reais

Sífilis: R$30,00 - R$100,00 reais

Clamídia: RS120,00 - R$250,00 reais

HIV: RS150,00 - R$300,00 reais

Mitos e verdades sobre as DST

Mito #1

DST na boca são impossíveis de serem curadas.

A verdade

Isto é falso. As DSTs na boca podem ser curadas dependendo da doença que a está causando. Deve-se observar que as DST que causam feridas na boca são:

  • Herpes
  • Sífilis
  • Gonorréia
  • Clamídia

Se você perceber que tem uma DST em sua boca, deve procurar imediatamente a ajuda de um especialista. Este prescreverá medicamentos para aliviar a dor que estas lesões cutâneas podem causar, ou medicamentos antivirais caso a infecção já for grave.

Mito #2

Testes de DST caseiros são confiáveis

A verdade

Os únicos testes de DST completamente confiáveis e precisos são aqueles feitos em um laboratório. Seja um exame de urina ou um exame de sangue, com estes exames de DST você pode descartar uma infecção ou, se você tem uma DST, você pode saber exatamente qual delas você tem.

Mito #3

Um teste de DST não é suficiente para obter diagnóstico e tratamento adequados.

A verdade

Falso. Um teste de DST pode lhe dar um diagnóstico adequado que lhe permitirá saber que tipo de doença você tem, em que estágio da infecção você está. O médico determinará qual o tratamento certo para você, para que você possa se recuperar no menor tempo possível.

Mito #4

Fazer testes de DSTs a cada 6 meses é uma forma de evitar a transmissão.

A verdade

Fazer testes para DSTs a cada 6 meses ou antes de fazer sexo com um novo parceiro é uma boa maneira de garantir que sua saúde esteja em boas condições. Se você tem vários parceiros sexuais com os quais não usa proteção (preservativos masculinos ou femininos), é melhor fazer o teste para DST a cada 3 meses.

Mito #5

Se eu uso dois preservativos, tenho dupla proteção.

A verdade

Não, a proteção oferecida pelos preservativos é específica. Ela não aumenta na proporção de seu número. Com um preservativo, você alcançará o máximo potencial de proteção. Entretanto, ela não oferece 100% de proteção em todos os casos. Além disso, se você usar dois preservativos, você pode aprisionar o ar entre eles, aumentando as chances de um dos preservativos rasgarem.

Perguntas mais frequentes sobre as DSTs

Quanto tempo leva para que uma DST se manifeste?

É muito importante estar ciente de quanto tempo leva para que uma DST se manifeste, pois isto pode variar dependendo da infecção e assim você pode ter uma janela de tempo para prestar atenção especial a quaisquer mudanças em seu corpo. Aproximadamente 10 dias depois de ter sido exposto ao vírus, as DSTs se manifestam em seu corpo. Os primeiros sintomas podem ser muito leves (mal-estar geral ou dor abdominal) e não é raro que passem despercebidos.

Quais são os sintomas mais comuns das DST nos homens?

As DST nos homens se manifestam de forma diferente das mulheres. Portanto, aqui estão os sintomas das DSTs nos homens que você precisa observar:

  • Coceira na genital
  • Queimação durante a micção
  • Vermelhidão
  • Dor no pênis ou nos testículos
  • Bolhas cor-de-rosa ou brancas no pênis
  • Inchaço no ânus
Quanto tempo devo esperar para fazer um teste de DST?

O tempo recomendado para esperar antes de fazer um teste de DST é:

  • Clamídia: 1 a 3 semanas
  • Tricomoníase: 2 a 4 semanas
  • Sífilis: 2 semanas após o aparecimento de uma ferida
  • Herpes: 1 a 2 meses
  • Gonorréia: 1 a 3 semanas
Qual é a diferença entre as DST e IST?

Os termos DST e IST são facilmente confundidos. São termos utilizados atualmente como sinônimos. Na tabela de comparação a seguir, você pode descobrir a diferença entre elas:

Doença Sexualmente Transmissível (DST) Infecção Sexualmente transmissível (IST)
É causado por até 30 vírus e fungos diferentes que são contraídos através do contato com sêmen, fluidos vaginais ou sangue. Elas são o resultado de infecções mal tratadas ou nunca tratadas por um especialista, que evoluem para uma condição que pode afetar uma pessoa durante anos. É uma infecção que com um tratamento adequado não se torna uma doença recorrente. Os tratamentos antivirais são usados para evitar que continuem a se multiplicar no corpo e não transmitam a infecção a outras pessoas.
Como podem ser evitadas as DSTs durante o sexo oral?

As DSTs do sexo oral podem ser facilmente evitadas se você usar novos métodos de barreira antes de iniciar o contato. Exemplos incluem preservativos de látex ou poliuretano dental. Desta forma, você evita a propagação de DSTs através do sexo oral que poderiam afetar a sua saúde e a saúde de seu parceiro.

Nota: o termo "médico" é usado por fins de brevidade e objetiva incluir todos os profissionais da saúde.
Referências

1. G1. (2019, November 16). Infecções sexualmente transmissíveis estão em alta no Brasil; saiba quais são e como se proteger.

2. Neves, U. N. (2021, February 2). PUBMED. , https://pebmed.com.br/mais-de-um-milhao-de-novos-casos-diarios-de-dsts-segundo-dados-da-oms/

3. Alves, M. O. O. B.-. (2021). Doenças sexualmente transmissíveis (DST) | Biblioteca Virtual em Saúde MS. Biblioteca Virtual em Saúde. , https://bvsms.saude.gov.br/doencas-sexualmente-transmissiveis-dst/

4. Mayo Clinic. (2021). Síntomas de enfermedades de transmisión sexual (ETS). Mayo 2022, de Mayo Clinic Sitio web: , https://www.mayoclinic.org/es-es/diseases-conditions/sexually-transmitted-diseases-stds/in-depth/std-symptoms/art-20047081

5. O que é a PrEP? | Departamento de Doenças de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis. (2020). PREP. , http://www.aids.gov.br/pt-br/o-que-e-prep

Essa página não contém orientações médicas.
Esta página não contém conteúdo promocional ou anúncios. Leia a política de anúncios aqui.

Este documento é confiável e fundamentado cientificamente. É baseado em estudos médicos oficiais e editado por profissionais de saúde qualificados , mostrando informações objetivas no diagnóstico e tratamento de doenças. Também, inclui referências. Se você é um profissional de saúde e encontrou algum erro ou omissão de informação, contate-nos pelo [email protected]

Obrigado

A sua avaliação pode ajudar muitas pessoas.

Junte-se ao doctoranytime sem custo clicando aqui.

Algo deu errado

Tentar novamente mais tarde

Sua avaliação foi submetida.

Como podemos melhorar?